Uma palavrinha sobre o LinuxMint

Pois é, este final de semana experimentei um novo sabor de Ubuntu, não, não estou falando do Ubuntu Cola, estou falando a respeito duma distribuição chamada Linux Mint (daquí em diante chamaremos de LinuxMint) que é concebida com repositórios próprios e anexando os repositórios do Ubuntu.LinuxMint pelo que pude notar até aqui, é um Ubuntu personalizado com as seguintes características marcantes :

  • Acompanha um belo tema e papeis de parede muito bonitos, útil para aqueles que acham o tom alaranjado-marrom do Ubuntu insatisfatório. Seus temas são suaves e altamente narcisista, pois encontra-se a logomarca do LinuxMint em todo o canto.
  • Repositórios extras do Ubuntu (universe, multiverse e partner) vem habilitados por padrão, além disso inclui-se os repositórios exclusivos para LinuxMint, com direito a se habilitar o repositório “unstable” que igual ao Debian, habilita a instalação de pacotes LinuxMint recentes e não testados.
  • Muitos “codecs” já estão instalados, incluindo “codecs” para visualização de vídeos flash sob internet e também o java-sun.
  • No lugar do menu clássico do Gnome, há um menu com agregação de aplicações favoritas/sistema/preferencias e locais para navegação de arquivos. Esse novo menu pode agradar uns e desagradar outros, quem já está acostumado com o menu contextual vai achar o novo menu mais poluído. Já tinha usado este estilo de menu no Ubuntu original e gostei, se você acostumar-se vai ganhar um pouco de produtividade :

Painel de Menu do LinuxMint

Todos os recursos do Ubuntu original como Drivers Restritos, Compiz, Configuração de telas, Instalação de Idiomas, enfim, tudo que há no Ubuntu é mantido no LinuxMint. Há algumas surpresas como o MintAssistent, MintInstall, MintUpdate, MintDesktop que são aplicativos que não acompanham o Ubuntu, mas servem para assistir a habilitação da conta root, instalação dum aplicativo que joga “echo’s” bem humorados no terminal, instalação/atualização de programas e uma especie de Ubuntu Tweak que ajusta algumas configurações do Gnome/Nautilus sem a necessidade de recorrer ao gconf-editor :

Aplicativo MintDesktop

O Linux-Mint 4.0 é muito recomendado para quem já gosta do Ubuntu usando GNOME. Alguns diferenciais que pude notar é que já vem personalizado com os melhores aplicativos para um usuário de desktop sem preocupar-se em manter os mesmos aplicativos usados no GNOME/Ubuntu. Embora essa edição do LinuxMint seja 99% usando aplicações GTK/GNOME/UBUNTU, é possível notar algumas diferenças :

  • Uma surpresa, o Amarok, um aplicativo KDE ao invés do Rythmbox como “jukebox” de musica padrão :

Amarok num ambiente GNOME

  • Toca DVD, musicas e filmes com um duplo clique, usará o totem (com backend xine) na maioria das vezes, porém o MPlayer também vem instalado. Não tive problemas em tocar os formatos .mp3, .mp4, .wmv e.avi (dvix/xvid).
  • Compactadores e descompactadores previamente instalados e integrados ao Nautilus. Sei como é aborrecedor receber um arquivo .rar e não ter a internet disponível naquele instante para instalar o aplicativo apropriado, pois é, com o LinuxMint os principais formatos de compactação estão previamente instalados e integrados ao nautilus.
  • Ao invés do leitor de emails Evolution (padrão do GNOME), o LinuxMint usa o Thunderbird personalizado com algumas extensões que o torna parecido com o MS-Outlook :

Leitor de emails Thunderbird

  • Pasta /opt não existe. Se voce tem pacotes que fazem uso dessa pasta, eu sugiro a criação dum link simbólico como : “sudo ln -s /usr/share/  /opt”. Isso resolveu meus problemas com pacotes que eu mesmo faço e que por longa data já usava /opt bem antes de eu ingressar no mundo do Ubuntu.
  • Com exceção do Amarok e Envy (falarei deles posteriormente), a seleção de aplicativos que acompanha o LinuxMint é a própria seleção que já uso no Ubuntu pós-instalação.

Pontos negativos observados no LinuxMint :

  • A instalação inicia-se como LiveCD somente em inglês, porém ao clicar num ícone chamado “Install” (“Instalar” em port/inglês) pode-se optar por escolher outro idioma só para efetuar a instalação.
  • Após a instalação fica tudo em inglês (no meu caso uma mistura de inglês-português), mas isso é facilmente resolvido pós-instalação no item “Suporte a Idiomas”, onde observa-se que o pacote “Português” não está marcado para instalação completa embora já estivesse marcado como idioma preferencial.
  • Mistura-se no GNOME a instalação da biblioteca principal do KDE (kdelibs), somente para instalar o Amarok que foi a única aplicação KDE que encontrei, isso pode desagradar quem não gosta de misturar aplicações KDE com GNOME. Veja bem, o Amarok é bom, mas não valeria a pena instalar o kdelibs só por causa dele.
  • Acompanha o Envy, um frontend que simplifica a instalação de drivers binários para placas de vídeo ATI/NVIDIA. Mas pode existir um problema em misturar “Drivers Restritos” do repositório oficial e drivers binários instalados pelo Envy. Se uma pessoa desavisada tentar usar os dois métodos sobrepondo um ao outro poderá ter um problema quase insolúvel para fazer o driver de vídeo funcionar algum dia.

KDE

Experimentei uma edição do LinuxMint que usa o ambiente gráfico KDE, chama-se LinuxMint-4.0-KDE-CE (CE=Comunity Edition) e só pode ser obtida em DVD e para ser sincero, fiquei frustado. Não, não estou sendo um chato só porque uso GNOME preferencialmente, ao contrário do que possa achar, eu também gosto do KDE, mas veja pontos negativos observados :

  • Ao iniciar a instalação, um bug chato para ligar o quadradinho checkbox para habilitar a formatação da partição / (root), foram vários cliques para ele estar com aquele “X” de marcado. A partição de swap eu simplesmente não conseguia marcar para formatação, prosseguí assim mesmo, no entanto, para minha surpresa o instalador formataria-a mesmo assim. Dããããããã….
  • Após o login no kdm, ao invés duma tela de boas-vindas ou a primeira dica, uma tela de SIGSEGV, isto é, uma aplicação que ao se iniciar, simplesmente “crashou”.
  • Alguns itens comuns no Kubuntu parece que não estavam lá, por exemplo: não encontrei como adicionar novos idiomas, o programa exposto no menu como “Habilitar 3D” não funcionou, mas também não deu nenhuma mensagem de que estava sendo executado.
  • Por ser em DVD, aguardava que fossem instalados mais programas, mas o que veio mesmo foi só o KDE.

Tenho conhecimento suficiente para corrigir tais problemas, mas fiquei muito mal-acostumado com o “tudo pronto” do Ubuntu/GNOME, talvez daí venha o motivo de minha frustração. Eu aguardava um KDE como no SuSE ou Mandriva, uma edição em DVD recheada de aplicações evitando o download para mais aplicativos, mas encontrei um KDE que parecia ainda estar ainda em desenvolvimento, não, não se tratava do KDE4. Também já que no LinuxMint/GNOME foi usado um aplicativo e bibliotecas do KDE, esperava que na edição KDE também fossem usados aplicativos Ubuntu/GNOME como Synaptic, habilitar drivers restritos, suporte a idiomas, etc…que nem é tão GNOME assim.

Ubuntu Paradise

Alguns tópicos do Ubuntu Paradise ainda tenho que aplicar, mas acredite é muito menos trabalho a partir do LinuxMint/GNOME.

Conclusão

Se os motivos-contra apontados por mim não é um problema para você então recomendo experimentar o LinuxMint/GNOME. Não achei nada que você pudesse perder instalando o LinuxMint, você simplesmente mantém o que já tinha no Ubuntu/GNOME com uma personalização mais completa. Tudo que você já aprendeu no GNOME ou Ubuntu é mantido, até os repositórios para o Ubuntu são os mesmos.

Gostaria muito que a próxima versão do Ubuntu dessem atenção aos quesitos observados no LinuxMint que é um verdadeiro MediaCenter tocando e exibindo todos os tipos de arquivos, além disso incluindo coisas que uma hora ou outra será instalado como sun-java, [des]compactadores e um tema ou aparência com menos rejeição. No caso do LinuxMint será que o filho superou o pai ?

Sítio para mais informações, download, screenshots sobre o LinuxMint :

http://www.linuxmint.com/

  1. #1 por Bruno em 17 \17\UTC março \17\UTC 2008 - 16:07

    Só minha opinião. Prefiro a integração e a simplicidade do Rythmbox e Xine a outro tocador de música e vídeo. Até gxine é removido aqui. Já acostumei tanto com os atalho e a simplicidade do Xine que quando instalo uma nova versão do Ubuntu gasto algum tempo tentando configurar o deinterlace para DVDs. Rythmbox para mim é simplesmente fantástico seleciono as músicas, o álbum ou o artista e esqueço ele alí ao lado do relógio. O Xine poderia vir com um tema mais limpo.

  2. #2 por Fábio Rabelo em 17 \17\UTC março \17\UTC 2008 - 17:44

    Gostaria apenas de comentar que o Sr. não testou a melhor versão do Mint, a versão XFce ;- ))))

  3. #3 por hamacker em 17 \17\UTC março \17\UTC 2008 - 18:01

    Fabio, o release XFCE fica para outro final de semana. ;-)

  4. #4 por Silfar em 18 \18\UTC março \18\UTC 2008 - 11:22

    Cara gosto muito de acompanhar seus artigos, até porque você vive experimentando coisas novas. Já havia experimentado o mint em outra ocasião mas tive alguns problemas. Mas sem dúvida ele é bem legal.

    Achei desnecessária a escolha do amarok, pois além do Rythmbox cumprir bem seu papel, na minha opinião fica fora do tema com aqueles ícones.

    Bem é isso.

    Ah, ele vai se tornar sua distribuíção padrão ?

    Abraços

  5. #5 por Paulo em 18 \18\UTC março \18\UTC 2008 - 12:03

    Rapaz…eu ja testei o mint e gostei muito. Muito bonito o visual e também não deve nada ao seu ” pai “.

  6. #6 por Alex em 18 \18\UTC março \18\UTC 2008 - 15:17

    Acho que eles deveriam dar maior atenção ao KDE, já que o padrão do Ubuntu é o GNOME.

    No caso do Gnome, alguns reclamam que ele é muito pelado no Ubuntu, então ele vir com os codecs, já ajuda bastante; realmente não parece necessário misturar as bibliotecas.

    Abraços.

  7. #7 por Ricardo Rothfeld em 18 \18\UTC março \18\UTC 2008 - 15:57

    Olá Hamacker, boa a análise e concordo com vc, para usuários contumazes do Gnome é uma distro bem construida e muito simpática.
    Usei por um bom tempo e voltei ao Ubuntu 7.10 por estar mais acostumado com o padrão Ubuntu, mas recomendo, inclusive para iniciantes no Linux.

    Abraços

  8. #8 por Daniel em 18 \18\UTC março \18\UTC 2008 - 17:30

    eu usei e até gostei mas n cheguei a instalar pq na primeira vez que gravei em um cd deu erro dps de incializar =/
    pedia usuario e senha o.o

    mas eu acho uma boa idéia.to só esperando amadurecer.
    mas vai ser ótimo q eh o ubuntu mais bonito e melhorado.tem nada melhor q isso =D

  9. #9 por Job em 18 \18\UTC março \18\UTC 2008 - 22:07

    Alguns detalhes a mais sobre o Mint.

    Ele cria uma pasta chamada Network, na pasta do usuário, que da acesso a rede, usando fuse.
    Permite de cara compartilhar pastas para a rede.
    Ja vem com o Windows Wireless Drivers.

    Tirando a questão de atualizar para o Portugues. è instalou usou.

    Abraços

  10. #10 por Alexandre Cunha em 19 \19\UTC março \19\UTC 2008 - 3:38

    Há uns 6 a 8 meses atras testei também o Linux Mint. Tentei aplicar os repositórios especificos do Mint num Ubuntu 6.04 (salvo erro).
    Consegui instalar algumas coisas do Mint, nem todas…

  11. #11 por Araken em 19 \19\UTC março \19\UTC 2008 - 14:34

    Instalei em dual boot depois de ler este seu artigo e se notei a diferença na base do visual, quanto ao resto, pra mim, é Ubuntu disfarçado.

  12. #12 por hamacker em 19 \19\UTC março \19\UTC 2008 - 14:54

    Araken, não é o Ubuntu disfarçado.
    É literalmente o Ubuntu + Addons da LinuxMint.

  13. #13 por Carlos Franco em 20 \20\UTC março \20\UTC 2008 - 6:56

    Deixa eu contar um segredinho:
    Só uso ele faz mais de 6 meses, Ubuntu pra mim, perdeu. Eu não tenho paciência de instalar o Ubuntu dpois ter q instalar toda a parafernalha para rodar multimídia (flash, rodar mp3, vídeos, etc).
    Eu sei que isso vir instalado por default vai contra a ideologia, mas o Linux Mint tá pouco se lixando para ideologias, eles querem o sistema funcionando tudo beleza logo depois q você instala (e é isso q eu espero de um SO). Vejam o Fedora, uma ótima distribuição mas para instalar o suporte multimídia é uma ladainha tão grande que simplesmente impossibilita seu uso.
    Sobre o Amarok vir instalado, também acho ótimo. Não troco o Amarok por nada nessa vida. Uma das grandes razões por eu amar o Linux é o Amarok (se não é a maior razão). Não existe player q chegue perto dele em qualidade. Esse tal de rythmbox, além de ser limitado ele simplesmente trava quando adiciono a minha coleção de mais de 35 mil músicas. O mesmo com o Listen. Fora q com o Amarok eu coloco músicas no meu IPOD Photo 60gb (os outros não fazem isso, ou pelo menos eu não consigo fazer). Talvez esses players meia boca sejam ótimos para quem tem uma coleção pequena de músicas, mas simplesmente não dá para usá-los no meu caso. Discodo de vc, acho q vale muito a pena instalar o kdelibs só para usar o Amarok.
    Sobre ele ser em inglês eu até prefiro. Não tenho problemas em usar o SO em inglês, é uma forma de aprendizado do idioma. Eu nem sequer mudo o idioma do Linux Mint. O menu dele é muito mais prático que o do Ubuntu.Permite fazer uma lista de aplicações favoritas e acessá-las rapidamente (ou mesmo usar o recurso de busca no menu). As outras opções ficam escondidinhas para acessar apenas nos casos de uso esporádico.
    Concluindo, o LinuxMint faz no Ubuntu aquilo que eu perdia muito tempo fazendo. Economiza meu tempo. É como se eu pegasse o maravilhoso Ubuntu já pronto para o meu uso. Uma das maravilhas do Linux é essa: cada um acessa e modifica de acordo com as suas necessidades. Não existe uma distro melhor que outra, apenas passamos um tempo testando várias até que achamos uma que se adapta perfeitamente às nossas necessidades.

  14. #14 por Igor Santos em 20 \20\UTC março \20\UTC 2008 - 13:00

    Parece ser uma distro boa e fácil de usar, tanto para quem quer se aventurar no linux quanto para quem já conhece o sistema e até mesmo o Ubuntu. Vou testá-lo na casa de um amigo futuramente, e veremos se ela é o que parece mesmo… mas tenho boas espectativas!

    E uma questão: como ela se comporta quanto às atualizações do ubuntu? Ou não se comporta?
    São lançadas versões do LinuxMint junto com as novas do ubuntu?

  15. #15 por Marllon em 28 \28\UTC março \28\UTC 2008 - 12:47

    Fala Hamacker. Tem como vc me enviar uma cópia do cd do Mint? Não consigo efetuar download de nenhum dos mirros… todos começam e logo param, se sequer baixar 10 Mb…. minha conexão não eh pois consigo efetuar download de milhares de outras coisas.. não uso firewall e tbem nuam uso nada similar ao squid… Se puder entre em contato que passo meu endereço pra ti…

    valeu…

  16. #16 por kakarotoBR em 5 \05\UTC abril \05\UTC 2008 - 1:26

    Virou minha distro default. Muito boa.

  1. Uma palavrinha sobre o LinuxMint
  2. Edição 11 da Full Circle Magazine disponível para download » Christiano Anderson
%d blogueiros gostam disto: