Integrando o nautilus a rede Linux

Em virtude do artigo anterior falando sobre integrando o nautilus a redes Windows tive a obrigação de fazer o mesmo para nosso Linux, qual a razão ? O artigo anterior parece ter induzido alguns leitores iniciantes a achar que o Linux usa a mesma solução de redes windows para inclusive integrar linux com linux, que é um absurdo. Vamos corrigir isso e criar um artigo à altura sobre integração do Nautilus a redes Linux. Primeiramente, o artigo a seguir não se aplica somente a Linux, mas qualquer sistema operacional que tenha um programa chamado openssh, cuja disponibilidade é imensa em praticamente todas as plataformas incluindo até mesmo o windows.

1) Instale o ‘openssh-client’ no seu computador, ou se preferir que seu micro seja um servidor, isto é, também possa ser acessado por outros ou que sejam abertas sessões de terminal nele instale também o ‘openssh-server’ :

sudo apt-get install openssh-client
sudo apt-get install openssh-server (somente se voce deseja tornar-se também um servidor)

Observação : Os dois pacotes acima são meta-pacotes, isto é, não são seus nomes verdadeiros apenas apontam para os nomes de pacotes correlatos.

2) Carregue o nautilus, dê um CTRL+L para abrir a barra de endereços (no artigo anterior mostrei como deixar essa barra de endereços sempre aberta, isso se aplica apenas se o CTRL+L lhe incomoda para abrir endereços da rede) e execute :

opção 1) ssh://SERVIDOR/pasta/para/ser/acessada
opção 2) ssh://beltrano@SERVIDOR/pasta/para/ser/acessada

Na opção 1 serão requeridas as credenciais de quem já está logado no GNOME, isto é, se seu usuário de sessão é FULANO então uma conta FULANO deverá ter sido criada em SERVIDOR, a senha a ser solicitada deverá ser igual a que foi criada em SERVIDOR.

Na opção 2 serão requeridas as credenciais de beltrano que de antemão também foi cadastrada em SERVIDOR e a senha que será solicitada após deverá corresponder a mesma. Como foi explicado no artigo anterior os outros campos do formulário de autenticação são :

“Lembrar a senha” para esta sessão refere-se a voce não ter que digitar a senha novamente quando o acesso for ao mesmo servidor, mas isso só dura enquanto seu login estiver ativo naquela sessão do Ubuntu.

“Salvar a senha no chaveiro” é um recurso do GNOME onde o nautilus pergunta ao chaveiro do GNOME a senha e este chaveiro fornece-a. O acesso ao chaveiro também requer uma senha mestre. Se voce ainda está aprendendo a usar o GNOME é melhor não se concentrar nisso por enquanto.

Pronto ! É muito mais fácil usar assim e menos complicado do que usar redes windows.

Eu não disse nada a respeito das qualidades do openssh porque são muitas, criptografia é uma delas, além disso é muito melhor e seguro transferir arquivos grandes (>2 GB) . Para quem usa Windows e precisa transferir arquivos de micros com SSH-SERVER instalado poderá usar o Putty que é um cliente ssh para Windows (tem para Linux também), ele é muito bom para abrir sessões de terminal no windows, o único problema para os usuários Windows é uso da linha de comando para transferir arquivos, mas anime-se! tem alguns clientes de FTP para Windows que também já contemplam o protocolo ssh, o que torna essa operação mais visual.

É interessante que o nautilus além de permitir permitir operações de I/O (input/out) básicas como copiar/renomear/apagar, poderá também abrir e salvar este ou aquele arquivo sem a necessidade de copia-lo antes para seu disco. Isso não é nenhuma exclusividade do GNOME, com a suite KDE faz-se a mesma coisa, a única coisa que muda é ao invés de “ssh://” deve-se usar “fish://” na url do konqueror.

3) Há muitos modos diferentes de compartilhar arquivos no linux, usando ssh é apenas um deles. O motivo de eu preferir o ssh é porque além de compartilhar, o ssh é um leque enorme de opções onde além de transferir arquivos e abrir sessões remotas em outros micros são apenas algumas das possibilidades, pode-se por exemplo utiliza-lo sob outros protocolos para acrescentar criptografia é o caso de transformar o próprio FTP em SFTP.

Anúncios
  1. #1 por Beco em 12 \12\UTC fevereiro \12\UTC 2007 - 20:25

    E o NFS companheiro?

  2. #2 por Luciano Pacheco em 12 \12\UTC fevereiro \12\UTC 2007 - 20:37

    No Windows tem um programa que é um SCP visual:

    http://winscp.net

    Eu utilizo ele quando estou no Windows e quero transferir arquivos de/para o Linux.

    Até mais.

  3. #3 por hamacker em 12 \12\UTC fevereiro \12\UTC 2007 - 22:15

    “E o NFS companheiro?”

    – Continua forte e vigoroso, porém como mostra o item 3 do artigo eu prefiro usar SSH :)

  4. #4 por António Manuel Dias em 12 \12\UTC fevereiro \12\UTC 2007 - 22:30

    “””
    com a suite KDE faz-se a mesma coisa, a única coisa que muda é ao invés de “ssh://” deve-se usar “finger://” na url do konqueror.
    “””

    Suponho que aqui querias dizer “fish://”

    Bom artigo.

  5. #5 por hamacker em 12 \12\UTC fevereiro \12\UTC 2007 - 22:38

    Pois é, é “fish://”. troquei as bolas, donde eu tirei finger ???
    Já corrigi! obrigado.

  6. #6 por António Manuel Dias em 12 \12\UTC fevereiro \12\UTC 2007 - 23:24

    “finger” também funciona (grande Konqueror!) mas não para este fim ;)

  7. #7 por Rafael Novello em 1 \01\UTC abril \01\UTC 2008 - 11:51

    Olá !!!

    Configurei um servidor SSH aqui na empresa. Os usuário acessam pelo Nautilus. Gostaria de tirar duas dúvidas.

    1) de alguma forma, a senha de acesso ao servidor fica gravada nos clientes por algum tempo, pois quando desconecto e reconecto ao servidor ela não é pedida. Não habilitei nenhuma opção de “Lembrar senha”.

    2) gostaria de manipular arquivos diretamente no servidor ssh, sem precisar gerar uma cópia no cliente.

    Se poder me ajudar agradeço muito.

    Um Abraço
    Rafael Novello.

  8. #8 por hamacker em 1 \01\UTC abril \01\UTC 2008 - 12:07

    Ele não pede senha enquanto o dispositivo permanecer montado, ou voce desmonta manualmente ou ele será desmontado quando não estiver mais em uso. Um exemplo de conexão em uso é quando o nautilus estiver aberto após ter montados dispositivos de rede, se voce for a guia histórico notará que ele mantem seus dispositivos lá.

    outro jeito de monta-los é usar aquele ícones redes do Ubuntu, lá voce tem mais flexibilidade.

    Quando senhas são guardadas elas permaneceram acessiveis pelo ‘gnome-keyring-manager’, este sim, lembra as senhas.

  9. #9 por Robson em 7 \07\UTC maio \07\UTC 2009 - 10:07

    Uma dica para quem tem problemas em acessar maquinas é usar o IP da máquina ao inves do host name. Na minha rede temos um firewall, com DHCP, so que o IP eh fixo pois o roteador atribui sempre os mesmos IP’s. Nao consigo acessar via host name, mas via IP vai muito bem.
    Uso Xubuntu e instalei o Nautilus so para isso…

%d blogueiros gostam disto: